• Assessoria de Marketing

Atenção para os procedimentos ao comprar um imóvel em terrenos de marinha de propriedade da União.

Na aquisição de um imóvel, além dos cuidados de uma compra convencional, o comprador deve observar se o imóvel está situado em terreno de marinha, muito comum em todo litoral brasileiro, e as particularidades desse tipo de transação.


Primeiramente é necessário compreender que os imóveis situados no “terreno de marinha” são de propriedade da União e o terceiro comumente intitulado como “dono” na verdade não se torna literalmente dono do imóvel, mas passa a ter diversos direitos de propriedade sobre o terreno.


Nesse tipo de transação o adquirente, que passa a ser chamado de “foreiro” ou “ocupante”, precisa pagar uma taxa anual ao proprietário do imóvel (União) para gozar do uso do imóvel.


São dois tipos de taxas cobrados: taxa de ocupação ou foro. A depender da situação do imóvel poderão ser cobradas ambas as taxas.


Entendendo as taxas


A taxa de ocupação é o valor cobrado pela ocupação regular de imóvel da União, sendo responsável o “ocupante” inscrito na base cadastral da Secretaria do Patrimônio da União – SPU. A taxa corresponde a 2% do valor do terreno, excluídas as benfeitorias, anualmente atualizado pela Secretaria do Patrimônio da União – SPU (Art. 2º, inciso II, da INº 4, de 14 de agosto de 2018).


Já a taxa de foro, também cobrada anualmente, corresponde a 0,6% do valor do terreno, excluídas as benfeitorias, sendo responsável o “foreiro” inscrito na base cadastral da SPU (Art. 2º, inciso II, da INº 3, de 9 de novembro de 2016).


A diferença entre taxa de ocupação e foro é que, a taxa de ocupação é cobrada quanto o terreno é de propriedade plena da União, enquanto o foro ocorre quando o particular detém 83% da propriedade do terreno (domínio útil) e a União detém os restantes 17%.


Foto reprodução: PMA.


A taxa de laudêmio


Deve-se estar perguntado o que seria então o laudêmio. A taxa de laudêmio funciona como uma espécie de Imposto de Transmissão de Bens Imóveis – ITBI, que incide, diferentemente do ITBI que é de competência do Município, na transferência do domínio útil (regime de aforamento) ou ocupação de imóvel da União.


É importante ficar atento à taxa de laudêmio cobrada. Desde 2016, com a publicação da Lei nº 13.240/2015, houve uma mudança considerável na cobrança do laudêmio. O percentual que era 5% sobre o valor venal pleno, ou seja, valor do terreno acrescido das benfeitorias, com a nova lei, foram excluídas as benfeitorias, passando o percentual a ser calculado somente sobre o valor venal do terreno, ou seja, não é contabilizada a estimativa da área construída. Por isso é importante ficar atento à taxa cobrada, insurgindo-se contra a cobrança exagerada do laudêmio.


É importante destacar que o vendedor, ou seja, o titular de direitos de imóvel da União cadastrado na Secretaria de Coordenação e Governança do Patrimônio da União – SPU, é quem deve pagar o laudêmio. Por outro lado, as partes podem estipular expressamente em contrato de compra e venda que a contribuição será feita pelo comprador, pois se o contrato for omisso, quem paga o laudêmio é o vendedor.

Transferência de titularidade


Outro procedimento esquecido pelos adquirentes é a transferência de titularidade de junto ao SPU, que nada mais é a alteração do titular responsável pelo imóvel no cadastro da SPU. Caberá ao comprador-adquirente, após o recolhimento do laudêmio, solicitar a alteração do titular responsável pelo imóvel. Aqui, vale destacar que a comunicação de transferência à SPU é obrigatória, e dentro do prazo legal, sob pena de incidência de multa.


Conclusão


Percebe-se que os imóveis de em área de marinha são dotados de especificidades as quais os compradores e vendedores desses imóveis precisam estar atentos. Não se pode confiar apenas no contrato particular de compra e venda, sequer na escritura pública, pois, muitas vezes, a SPU e os Cartórios de Registros de Imóveis, falham em se comunicar e estabelecer se os imóveis estão sob o regime de aforamento ou escrituração.


Por isso, é fundamental a atuação de profissional habilitado que atue no ramo imobiliário. Ao tomar esses cuidados tanto o vendedor quanto o adquirente podem evitar a surpresa de serem executados pela União, em razão de nunca terem recolhido as taxas de ocupação ou aforamento, bem como pelo não pagamento de laudêmio e da multa que incide na transferência tardia perante a SPU, do imóvel adquirido.


Diego Pinheiro Caraciolo - OAB/SE 10.976

Especialista em Direito Civil e Empresarial pela Faculdade Ibmec São Paulo (Faculdade Damásio Educacional)

© AÇÃO JURIS - Advogados Associados. 

desenvolvimento-branco.png